Às vezes, é preciso deixar a vergonha de lado e falar sobre as coisas que nos incomodam. Principalmente quando essas coisas são bem pessoais, como a aparência das nossas partes íntimas. Para muitas mulheres, a ninfoplastia, ou a cirurgia corretiva dos lábios vaginais, ainda carrega bastante tabu. Mas não é necessário.

Os motivos que podem fazer uma mulher decidir por um procedimento como esse são muitos, mas incluem principalmente questões estéticas e um sentimento de inadequação. Muitas mulheres são bastante rigorosas consigo mesmas nesse sentido e acabam se sentindo inseguras quando expõem suas regiões íntimas no momento do ato sexual, tornando bastante difícil fruir do momento.

Em outras situações, mais raras, a hipertrofia da região – seu crescimento excessivo – provoca algumas complicações físicas mais sérias. A dificuldade de higienizar apropriadamente os pequenos lábios pode levar ao acúmulo de secreções e urina. As constantes infecções decorrentes disso podem evoluir até mesmo para uma candidíase.

Não somente isso, mas o desenvolvimento excessivo pode gerar dores durante a relação sexual, pois os lábios podem se dobrar para dentro no ato da penetração. Essa situação pode até mesmo criar pequenas lesões devido ao atrito, o que, dada a sensibilidade da região, pode prejudicar bastante o bem-estar da mulher.

Alternativamente, pode haver um incômodo em relação aos grandes lábios. Desde um desenvolvimento excessivo até a presença de flacidez, o incômodo estético e psicológico em relação aos grandes lábios é semelhante. Portanto, uma condição de hiper ou hipotrofia, ou de flacidez também constitui uma candidatura à ninfoplastia.

Íntimo e pessoal

Se for realmente acordado entre médico e paciente que a ninfoplastia é uma boa alternativa, a cirurgia vai utilizar uma anestesia raqui ou peridural com sedação simples. Então, o cirurgião fará a incisão que vai retirar o excesso considerado incômodo e reconstrói a estrutura de uma maneira mais harmoniosa. A cirurgia mira reposicionar os pequenos lábios para que eles sejam protegidos pelos grandes lábios, o que, no geral, é a posição anatômica mais confortável.

Os pontos usados são absorvíveis, ou seja, não há a necessidade de agir sobre a região posteriormente e as cicatrizes são quase imperceptíveis. Por ser um procedimento de porte pequeno, que dura em torno de 40 minutos a 1h30m, a paciente pode ir para casa no mesmo dia, observando alguns cuidados pós-operatórios para garantir uma recuperação mais tranquila e um resultado melhor e mais rápido.

No caso do trabalho sobre os grandes lábios, o procedimento varia dependendo da necessidade. No caso do excesso, utiliza-se pequenas cânulas de lipoaspiração na parte interna do grande lábio, fazendo a aspiração do excesso. Quando existe flacidez, o cirurgião pode realizar uma lipoenxertia estruturada, usando gordura da própria paciente. Esses procedimentos também deixam cicatrizes pouco aparentes e um tempo mínimo de observação antes de a paciente retornar normalmente às atividades.

Pós-operatório

Primeiro e antes de tudo: evitar relações sexuais durante um mês pelo menos, pelos motivos óbvios. Um repouso mínimo de três dias para garantir a cicatrização é o bastante para voltar à rotina. Esforços físicos mais intensos devem aguardar cerca de três semanas. O mais importante, devido à região onde o procedimento acontece, é manter uma higienização constante, com água e sabonete. Para facilitar, é útil usar roupas mais confortáveis, que permitam à região respirar.

Algumas mulheres podem acusar diminuição da sensibilidade na região após a cirurgia, mas isso só é comum logo após o procedimento. Em pouco tempo, o funcionamento do corpo retorna ao normal.

O Dr. Rodrigo Fuzaro é especialista em estética íntima feminina. Sua intimidade não tem que ser motivo de vergonha. Entre em contato e agende sua consulta.